Notícias

Gravatá: Momento coronavírus pede união e tática

Nas primeiras semanas da quarentena, Gravatá não tinha nenhum caso suspeito do coronavírus, mas o prefeito Joaquim Neto se antecedeu a chegada da pandemia ao município. E, junto a sua equipe de governo realizou campanhas de conscientização, adotou medidas e criou a equipe de vigilância epidemiológica.

“Todo cuidado é pouco. Milhares de pessoas em todo o mundo já morreram devido o coronavírus. Estamos analisando medidas e informações, para evitar o pânico quando casos suspeitos começarem a surgir com a chegada dessa doença respiratória ao município”, disse Joaquim Neto.

Entretanto, em questões de dias, o contágio comunitário avançou, e não era possível saber quem transmitia o vírus e identificar quem foi à fonte de contágio.

Nesta circunstância, a preocupação do prefeito Joaquim Neto com a população de Gravatá, se antecipou de uma forma muito acertada com a criação do Decreto que implantou regras de higienização e segurança, evitando a aglomeração das pessoas em locais públicos durante o período de quarentena em combate ao Covid-19.

E foi muito difícil, pelo menos pra mim quando saí de casa por ser realmente necessário, vê pessoas circulando sem pressa, com olhares despreocupados e comentários sem noção.

Acredito que por já ter trabalhado na saúde entendia um pouco do que estava se passando. O coronavírus é letal, ainda não se sabe quanto tempo dura a imunidade ao vírus. Se anos ou meses. O habitual é ter imunidade prolongada após infecção passada com alguns vírus. Mas não sabemos se com o coronavírus é assim.

E o nosso amor próprio exige mais da gente, e muitos ainda não se deram conta que é a sua vida, de seus familiares e de toda população do mundo que está na linha de frente, do lado direito, do lado esquerdo e na linha de trás.

Gente, não temos muito feedback, toda pesquisa, estudo e testes já realizados são meros ensaios em busca da cura. O vírus continua circulando, e ainda nem sabemos se o vírus é capaz de reinfectar.

Várias incógnitas precisam de respostas, nós aqui em Pernambuco estamos aprendendo de forma cruel e com perdas a se cuidar/prevenir no verão. Mais e quando o inverno chegar? Será que teremos uma nova onda de contágio?

Cumprir as medidas de isolamento e distanciamento social evita que você se exponha ao vírus, que seja um transmissor assintomático e saia infectando pessoas durante a quarentena, o que pode causar o colapso hospitalar em Gravatá. E infelizmente muitos gravataenses não cumprem as medidas e regras determinadas.

Pensando nisso, o prefeito Joaquim Neto junto a sua equipe de governo no combate ao coronavírus, se reuniram por medida de segurança e razão das medidas de isolamento, e criaram uma ala com limite de segurança hospitalar, que será ocupada especificamente de casos com sintomas relacionados ao coronavírus.

A ala hospitalar com leitos para cuidar de pacientes suspeitos, terá equipamentos médico-hospitalares e pessoal treinado para o atendimento aos casos suspeitos que forem internados, e já tem previsão de abertura.

Acompanhem as “lives” que são transmitidas todas as segundas e sextas-feiras, a partir das 18h pelas redes sociais da Prefeitura de Gravatá e Rádio Clima FM, com dados e orientações reais sobre o enfrentamento ao novo coronavírus em Gravatá.


Publicidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *