Gente

Entrevista com Fernanda Nóbrega – A mulher, esposa, mãe, amiga, modelo, bailarina e promotora de justiça, que abre as portas para viver a vida intensamente e ser feliz

Fernanda Nóbrega

Conhecer um pouco da história da mulher, esposa, mãe e promotora de justiça, Fernanda Nóbrega, é essencial para se inspirar e se motivar a seguir em frente, independentemente dos desafios.

Fernanda Henriques da Nóbrega nasceu na Paraíba, no dia 04 de abril de 1972. A filha do médico Dr. Fernando Martins da Nóbrega e da advogada Paula Frassinette Henriques da Nóbrega, tem duas irmãs, uma Advogada, Perita Criminal e Professora Universitária, Gabriella e a outra Veterinária, Giovanna .

Para a mulher Fernanda Nóbrega, casada com Abraão Reis, e mãe de duas filhas, Ana Vitória e Ana Beatriz e enteado, Eduardo. A sua família é uma fonte inesgotável de força, amor e sabedoria, que a tornam numa heroína disfarçada de mulher comum.

Ah! E não mexam, nem machuquem os seus filhos, porque nessas horas, o sobrenome dela é leoa. A mãe Fernanda é gentil, acolhedora, amorosa, confiante, apaixonada, compreensiva, amiga, e faz questão de priorizar seus filhos e incorporá-los no seu dia a dia para os acompanhar, ensinar e orientar a enfrentar as dificuldades de suas próprias vidas e às injustiças do cotidiano. Mas é disposta a qualquer coisa pela felicidade e defesa dos seus filhos. Porque o seu corpo e mente ficam sintonizados para promovem amor infinito, coragem e a capacidade de proteger a vida dos seus filhos.

Sua vida conjugal é feliz e tranquila. Baseada em conversas, no companheirismo, respeito, parceria, cumplicidade, preservando a individualidade para manter um romance vivo, crescente, divertido e sempre fortalecido.

“O meu marido divide as responsabilidades comigo. Quiça assume mais responsabilidades do que eu. É meu melhor amigo, meu parceiro de todas as horas, alguém com quem posso contar, e que sempre me renova”, diz Fernanda Nóbrega.

V&V: Como surgiu o interesse em atuar na carreira jurídica?

Fernanda Nóbrega: “Os primeiros passos para atuar em carreira jurídica, surgiram quando minha mãe, que era Defensora Pública em Santa Luzia, estado da Paraíba, levava para casa processos para os fazer com mais tranquilidade. E eu que sempre estava a seu lado, e escutava tudo atenciosamente, me peguei fazendo petição como se fosse ela. Mas, me decidi mesmo por fazer carreira  jurídica, quando eu tinha uns doze anos, e a vi fazendo o primeiro júri, apesar de não ser algo que goste de fazer, foi o que me definiu profissionalmente”.

V&V: Qual é o papel do promotor de justiça?

Fernanda Nóbrega: O Ministério Público, a partir da Constituição de 1988, teve suas atribuições ampliadas, antes dessa constituição, nós promotores públicos, éramos meros acusadores. Praticamente, a gente só acusava, fazia os processos criminais, o júri, algumas ações civis, fiscalizava, mas não tínhamos outras atribuições. Com a Constituição de 88, nós passamos a ser constitucionalmente falando, fiscal da ordem jurídica e da democracia, com atividades extrajudiciais e referência das funções essenciais à Justiça. Com atuação nos interesses criminal, consumidor, cidadania, políticas públicas, questão eleitoral, patrimônio histórico, turístico, artístico e paisagístico; pessoa portadora de deficiência; criança e adolescente, do idoso, da saúde, das comunidades indígenas e minorias ético-sociais, do meio ambiente, da segurança pública e várias outras esferas.  O que evidenciou o trabalho dos promotores públicos, os tornando uma espécie de Ouvidoria da sociedade brasileira.

V&V: Promotor de justiça tem poder de polícia?

Fernanda Nóbrega: Não. A Constituição garante que todo cidadão pode prender em flagrante delito. O promotor de justiça pode participar de operações e fiscalizações, temos também o GAECO – Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, e sempre estamos acompanhados de policiais civis, militares ou federais, e até dos rodoviários federais. Não devemos e nem podemos sair às ruas procurando pessoas para prender. Não é assim que funciona. Mas podemos diligenciar, fazer vistorias sempre acompanhados dos órgãos de segurança.

V&V: Quando se deve procurar o Ministério Público?

Fernanda Nóbrega: Questões públicas, questões coletivas, e até questões individuais de direitos disponíveis. E a pessoa que me procura em meu gabinete, se não for nossa a viabilização ou solução, vai sair com encaminhamento para quem deve ou pode resolver a situação.

V&V: O que quer dizer quando o processo está no Ministério Público?

Fernanda Nóbrega: Quer dizer que o processo está para ser analisado pelo promotor. E que ele deve emitir manifestação, um parecer, uma opinião sobre a situação.

V&V: Em que Comarcas já atuou?

Fernanda Nóbrega: Como titular no Ministério Público de Pernambuco desde 1994, já atuei em Flores no sertão do Pajeú, Bezerros e em Gravatá.  Mas acumulando, eu já trabalhei em Serra Talhada, Carnaíba, Bonito Ibirajuba, Caruaru, Chã-Grande (onde passei muitos anos e é um município que mora no meu coração), em Vitória, Glória do Goitá, Pombos e Amaraji.

V&V: Com suas palavras como foi e está sendo sua trajetória profissional?

Fernanda Nóbrega: Passei no vestibular para Direito na Paraíba com quinze anos de idade. Na época era um vestibular unificado e eu tinha duas opções: Federal e UNIPÊ. Quando eu fiz vestibular existiam muitas greves na Universidade Federal e os cursos se atrasavam por vários anos. Então conversei com os meus pais e disse que queria fazer para a UNIPÊ Eu tinha certeza que passaria na Federal devido minhas notas, porém como era unificado eu tinha que escolher um ou outro, e escolhi UNIPÊ. E me formei em 1992, no ano seguinte passei na seleção para a Escola de Magistratura na Paraíba, e nesse mesmo ano, me inscrevi no concurso de Promotor do estafo de Pernambuco, no da Paraíba e no do Rio Grande do Norte.

“Nessa época eu tinha 22 anos e muito tempo pela frente. E fui começando a passar nas etapas do concurso de Pernambuco. Me empolguei, e fui me dedicando cada vez mais e passei. Quando passei no concurso de Pernambuco, eu já tinha conseguido passar em três etapas do concurso do Rio Grande do Norte. Porém, diante a distância e vários outros fatores e o cansaço de tanto estudar e já ter conseguido passar em Pernambuco, desisti do concurso do Rio Grande do Norte e fiquei em Pernambuco. E não me arrependo de jeito nenhum, e estou em Pernambuco mais da metade da minha vida”.

”Primeiro fui pra Flores, e com sete meses que eu estava lá, eu pedi promoção para Bezerros e fui promovida por antiguidade, porque eu já tinha tempo de serviço na Paraíba, onde comecei a trabalhar com 18 anos em serviço público. E depois de cinco anos, eu vim removida para Gravatá”.

“E permaneço em Gravatá desde então, e já passei por várias acumulações por municípios que já lhe disse. E até o mês passado eu tinha o exercício simultâneo em audiências de custódia, Coordenação da Circunscrição de Ministério Público de Vitória de Santo Antão, que abrange 15 promotorias, por mais de cinco mandatos, sendo na maioria das vezes reconduzida por aclamação. Participei de várias eleições aqui em Gravatá e em outros locais. De 2019 a 2021 eu fiz parte do Conselho Superior do Ministério Público, uma honra, porque é o cargo mais alto, fora o de Procurador Geral de Justiça. É um cargo eletivo, e fui eleita junto a sete colegas promotores e promotoras de justiça por votação estadual, viabilizada pela Lei da Democracia Plena, que permitiu que promotores e promotoras de justiça, com mais de 35 anos e dez anos de carreira, pudessem concorrer ao Conselho Superior do Ministério Público. *Agora em março fui convocada pelo Procurador Geral de Justiça para ser Assessora Especial de seu gabinete, e atualmente estou em Recife por dois dias e aqui em Gravatá, onde permaneço atuando como Promotoria de Justiça”.

“Nesse meio tempo, não posso esquecer porque eu adorava, lecionei de 2003 até 2009 na Faculdade Osman Lins, curso de Direito, disciplina direito processual penal. Uma experiência maravilhosa e gratificante, que pretendo retomar após me aposentar”.

“Porque nessa época minha filha Vitória estava crescendo, e como eu saía de manhã e chegava de noite, não tinha a oportunidade de acompanhar seu crescimento, desenvolvimento e habilidades nos parâmetros da fase de infância. Então saí da faculdade para me dedicar ao Ministério Público e a minha família”.

V&V: Qual o primeiro desafio?

Fernanda Nóbrega: Foi uma ação que entrei em Bezerros, após um Delegado me chamar e apresentar uma situação muito complicada, na qual três adolescentes narravam abusos sexuais praticados por um padre. E eu me convenci da veracidade das alegações dos adolescentes e a justiça entendeu que ele era inocente. Apesar de não concordar, eu respeitei a decisão da justiça. E isso foi muito desafiador, e até uma decepção, porque nessa época eu estava me construindo profissionalmente, e como só tinha em torno de dois a três anos de Ministério Público, uma lição de vida.

V&V: Qual a sua especialidade?

Fernanda Nóbrega: Em Direito Processual, mas a minha área de atuação em Gravatá é Infância e Juventude, cível no geral, consumidor, meio ambiente e educação.

V&V: Dê uma dica para quem quer seguir carreira no Ministério Público.

Fernanda Nóbrega: Estude, leia, se aprofunde e se dedique. Assista vídeo-aulas, faça cursos e esteja sempre atento a tudo que tem na internet em sites confiáveis. Basta se determinar e não desistir.

Ela adora andar de bicicleta

V&V: Como foi sua infância?

Fernanda Nóbrega: Maravilhosa. Eu era aquela menina que subia em árvores, que caía, se ralava toda, que subia no muro da casa dos vizinhos, que brincava descalça pelas ruas, andava de bicicleta, tomava banho de chuva, fugia de casa. E numa dessas fugas, caí num buraco que tinha uma planta chamada favela, que é cheia de espinhos, e me machuquei muito. Eu tenho cicatriz no joelho, na cabeça, na perna, de chave de fenda na testa. A minha infância foi de verdade, brinquei de boneca, fiz comidinhas, jogava peteca, pular corda, queimado, comprei muito papel de carta com o dinheiro do lanche, a minha infância é a infância que eu queria para minhas filhas.

V&V: A fase que muito curtiu e aprendeu?

Fernanda Nóbrega: A adolescência.

V&V: Melhor fase escolar?

Fernanda Nóbrega: O ensino médio, antigo científico.

V&V: Quando começou a trabalhar?

Fernanda Nóbrega: Com dezesseis anos, eu já estava na faculdade, e trabalhei na recepção de eventos jurídicos junto a amigos, como modelo em desfiles em João Pessoa. Mas com carteira assinada foi através de concurso público que passei aos 18 anos.

V&V: Deus:

Fernanda Nóbrega: Tudo.

V&V: Família:

Fernanda Nóbrega: Amor.

V&V: Amigos:

Fernanda Nóbrega: Poucos, mas muito importantes.

V&V: Vício:

Fernanda Nóbrega: Atualmente internet.

V&V:  Perdão:

Fernanda Nóbrega: Essencial.

V&V: Ponto forte:

Fernanda Nóbrega: Perseverança.

V&V: O que precisa ser melhorado?

Fernanda Nóbrega: A minha demasiada credibilidade nas pessoas. O que me faz levar muita lapada. kkkkkkkkkk

V&V: Desafios:

Fernanda Nóbrega: Me movem.

V&V: Conquista:

Fernanda Nóbrega: A coroação da vida, minha família.

V&V: Sonho realizado:

Fernanda Nóbrega: Fazer ballet depois de adulta e participar de dois festivais.

V&V: Orgulho de si mesma:

Fernanda Nóbrega: De aprender sempre, não ter vergonha de mudar, de reconhecer que estou errada e abrir meus horizontes.

V&V: Qual característica Fernanda tem que muitos poucos conhecem?

Fernanda Nóbrega: Ser moleca e dizer bobagens.

V&V: Por qual aspecto da vida você é apaixonada?

Fernanda Nóbrega: Sou apaixonada pela vida como um todo.

V&V: O que te faz bem?

Fernanda Nóbrega: Minha família. E quando falo minha família não falo só de meu marido e filhos, mas de pai, mãe, irmãs e amigos que são como irmãos.

V&V: O que te faz acordar bem?

Fernanda Nóbrega: Quando eu sei que minha família está bem.

V&V: Três coisas importantes na sua vida?

Fernanda Nóbrega: Deus, família e trabalho.

V&V: O que te fez feliz?

Fernanda Nóbrega: Saber que todos os meus estão bem. E estar com saúde.

V&V: Data importante e por que?

Fernanda Nóbrega: Antes do casamento, é o dia que passei no concurso para vir para o Ministério Público de Pernambuco. E depois de casada, os dois dias da chegada das minhas filhas.

V&V: Qual sua regra de vida?

Fernanda Nóbrega: Não ter vergonha de viver e ser feliz.

V&V: O que te faz rir?

Fernanda Nóbrega: Além do beijo das minhas filhas, o afago e companheirismo do marido, as coisas boas e simples me fazem rir, comida, boas notícias, etc.

V&V: Programa de fim de semana:

Fernanda Nóbrega: Praia ou serra.

V&V: Receita de sucesso:

Fernanda Nóbrega: Dedicação, empenho, responsabilidade e honestidade.

V&V: O que sempre vale a pena?

Fernanda Nóbrega: O amor.

V&V: O que seus amigos devem ter?

Fernanda Nóbrega: Sinceridade.

V&V: Sentimento que prevaleça em sua vida?

Fernanda Nóbrega: Amor e gratidão.

V&V: Duas prioridades:

Fernanda Nóbrega: Minha família e meu trabalho.

V&V: Sensação de liberdade:

Fernanda Nóbrega: Viajar.

V&V: Encontro com os amigos?

Fernanda Nóbrega: Alegria garantida.

V&V: És consumista?

Fernanda Nóbrega: Sim, mas melhorei muito.

V&V: É vaidosa?

Fernanda Nóbrega: Sim. Mas não 100%.

V&V: Caixinha de surpresa:

Fernanda Nóbrega: Um convite inesperado.

V&V: Ator

Fernanda Nóbrega: Alexandre Nero.

V&V: Atriz:

Fernanda Nóbrega: Fernanda Montenegro.

V&V: Filme:

Fernanda Nóbrega:  Dirty dancing.

V&V: Cantor:

Fernanda Nóbrega: Leonardo.

V&V: Cantora:

Fernanda Nóbrega: Ana Vitória.

V&V: Música:

Fernanda Nóbrega: Dona de Roupa Nova.

V&V: Livro marcante:

Fernanda Nóbrega: Ninguém é de ninguém, Zíbia Gasparetto.

V&V: Mania:

Fernanda Nóbrega: Tocar as pessoas quando falo com elas.

V&V: Presente que gosta de dar?

Fernanda Nóbrega: Que pareça com a pessoa que vai receber.

V&V: E de receber?

Fernanda Nóbrega: Eu gosto de ganhar qualquer coisa, pra mim o que vale é lembrar de mim.

V&V: Comida preferida:

Fernanda Nóbrega: Caranguejo.

V&V: Carro:

Fernanda Nóbrega:  Jeep Compass.

V&V: Batom:

Fernanda Nóbrega: Diva da Mac.

V&V: Perfume:

Fernanda Nóbrega: Cabotine e La vie est Belle.

V&V: Joias:

Fernanda Nóbrega: Amo, por que elas me completam e encantam.

V&V: Um dia de sol:

Fernanda Nóbrega: Praia.

V&V: Um dia de chuva:

Fernanda Nóbrega: Cama, assistindo filme.

V&V: O que te orgulha na vida?

Fernanda Nóbrega: Ter conquistado meus objetivos profissionais sem passar por cima de ninguém.

V&V: O que te faz bem?

Fernanda Nóbrega: Fazer bem a outrem.

V&V: É sonhadora?

Fernanda Nóbrega: Muito.

V&V: Programa de Televisão:

Fernanda Nóbrega: Séries.

V&V: Roupas:

Fernanda Nóbrega: As confortáveis, que me vestem bem.

V&V: Beleza feminina:

Fernanda Nóbrega:  Maju.

V&V: Beleza Masculina:

Fernanda Nóbrega: Fábio Júnior.

V&V: Show ou apresentação inesquecível:

Fernanda Nóbrega: O primeiro festival de ballet que eu participei.

V&V: Um mestre na vida:

Fernanda Nóbrega: Jesus e minha avó Luzia.

V&V: Uma mulher pública:

Fernanda Nóbrega: A procuradora do estado de Goiás, Dra. Ivana Farina.

V&V: Um homem público:

Fernanda Nóbrega: O Papa.

V&V: Supérfluo indispensável:

Fernanda Nóbrega: Sapato.

V&V: Sonho de consumo:

Fernanda Nóbrega: Uma casa na praia.

V&V: Símbolo de bom gosto:

Fernanda Nóbrega: Tratar bem as pessoas.

V&V: Sinônimo de beleza é:

Fernanda Nóbrega: Minhas filhas.

V&V: Personalidade Pernambucana:

Fernanda Nóbrega: Luiz Gonzaga.

V&V: Personalidade Jurídica:

Fernanda Nóbrega: Francisco Dirceu Barros, Promotor de Justiça, ex Procurador Geral de Justiça.

V&V: Dia ou noite?

Fernanda Nóbrega: Noite.

V&V: Flores:

Fernanda Nóbrega: Girassol.

V&V: Que música você gosta?

Fernanda Nóbrega: Da sertaneja.

V&V: Uma cor:

Fernanda Nóbrega: Vermelho.

V&V: Um animal:

Fernanda Nóbrega: Gato.

V&V: Bebida:

Fernanda Nóbrega: Gim.

V&V: Praia:

Fernanda Nóbrega: É o meu habitat, sempre retorno a de Tamandaré e ao Bessa, em João Pessoa.

V&V: Campo?

Fernanda Nóbrega: Adoro. Ele me deixa em contato com o que há de mais puro na natureza.

V&V: Verão ou inverno?

Fernanda Nóbrega: Como eu gosto de todas as estações, o que mais me fascina em cada uma, é a oportunidade de estar com a família e renascer com dias de céu azul, brisa geladinha, sol que aquece, entardecer alaranjados e noites mais estreladas do que nunca.

V&V: Qual sua diversão preferida?

Fernanda Nóbrega: Várias, desde que eu esteja em família.

V&V: Viagem ou viagens?

Fernanda Nóbrega: Amo viagens, pois elas ajudam a manter mente e corpo saudáveis, melhoram o relacionamento familiar e a saúde mental, recarregam as baterias. Nos tornam mais criativos, adaptáveis, responsáveis e confiantes. E nos permite aprender novas culturas, saborear comidas diferentes, novos olhares, e a entrar em contato conosco mesmo.

V&V: Qual destino é e vai ser sempre repetido?

Fernanda Nóbrega: Gramado.

V&V: Projeto de viagem depois que a pandemia passar?

Fernanda Nóbrega: Eu já tenho três viagens em família pagas. Então quero realizar essas viagens, começando pela Disney, depois Campos do Jordão e retornar a Foz do Iguaçu. Em seguida planejar Portugal e Espanha.

V&V: O que desequilibra Fernanda?

Fernanda Nóbrega: A ingratidão e falsidade.

V&V: Pandemia:

Fernanda Nóbrega: Reconstrução e aprendizado

V&V: Se defina com uma palavra.

Fernanda Nóbrega: Gratidão por tudo de bom e de ruim em minha vida, pois todas me fizeram crescer e buscar melhorar.

V&V: Uma frase

Fernanda Nóbrega: Ser feliz é uma obrigação diária.

V&V: Fernanda por Fernanda:

Fernanda Nóbrega: Impulsiva, dinâmica, teimosa, cheia de amor para dar, as vezes impaciente e todas as vezes intensa. Sou alegria, adoro estar junto a família, a amigos, gosto de viajar, do brilho nos olhos, das coisas simples, pois elas me completam. Eu gosto de viver, de experenciar, de estar com as pessoas. E como não tenho vergonha de reconhecer meus erros e gosto de aprender sempre. Mudei muito em minha trajetória. Expandi meu olhar, meu modo de pensar, agir e me posicionar, só minha essência não muda. Mas há muito a aprender, sempre!

Confira também a entrevista:

Entrevista com Lucas Noia, Chefe de Gabinete do prefeito de Gravatá, padre Joselito Gomes

Entrevista com Viviane Facundes, mãe, mulher, dona de casa, artesã, amiga e secretária de Assistência Social e Juventude de Gravatá

Entrevista com Ester Gomes, mãe, mulher, dona de casa, militante das causas sociais e secretária da Mulher

Entrevista com Filipe Vasconcelos – Um mestre sem rótulos

Entrevista com Aline Souza – A dona da voz que é sua impressão digital

Entrevista com Vera Souto Maior – A colunista social guerreira, que se reinventa e é feliz


Publicidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *